Tudo em São Paulo

Já andamos abordando aqui o fato de que os órgãos de imprensa em gerais metem no balaio paulistano toda sorte de maloqueirices acontecidas nas cidades periféricas à capital. Hoje Raquel me chama atenção para mais uma entre as bilhões de ocorrências capciosas:

Quando você vai ler a baixaria, percebe que aconteceu em um ônibus de São Bernardo do Campo, no ABC. Mais precisamente, num ônibus que saiu do terminal Ferrazópolis, com destino a Santo André. Nada que ver com a capital, como a chamada da matéria leva a crer.

É claro que quem enviou a matéria para o G1 não tem culpa, mas quem foi o estagiário que tascou uma manchete dessas? Daí diria: é que aconteceu no estado de São Paaaulo…..

Sei…

Deve ser pelo mesmo motivo que linkaram, no meio da matéria, uma tortura de números sobre agressão a gays na capital paulista:

Dizendo assim, fica parecendo que os gays do meu Brasil vivem uma vida de felicidades, e só quando vem pra São Paulo a turismo são metódica e barbaramente espancados.

Vamos então ao link:

Uma pesquisa da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo aponta que 70% dos gays que moram na capital paulista já sofreram algum tipo de preconceito. Intitulado “Sampacentro”, o levantamento foi feito entre novembro de 2011 e janeiro de 2012, com 1.217 homens homossexuais, em 92 lugares previamente selecionados, incluindo casas noturnas, saunas, cinemas e na rua.

(Beleza, matéria estava fófis e, quando publiquei, metade de meu texto sumiu. Vamos tentar resumir.)

A pesquisa, me parece, era para levantar dados relativos a DST/Aids. Não consegui achar a pesquisa em si, e o site do Sampacentro é bem jerereca. Também não havia entendido esse foco na “agressão contra homossexuais”, mas encontrei algo no site da Secretaria de Saúde (comunicação dez, hein?). Na verdade, 70% dos entrevistados afirmaram já terem sofrido algum tipo de agressão. É óbvio: a pesquisa foi feita na noite, onde não só gays, mas héteros, cachorros e carmelitas descalças têm mais probabilidade de sair no tapa com alguém, oras… Ninguém foi fazer entrevista com um gay que passa as noites de sábado lendo na biblioteca e fumando cachimbo. Portanto, bola fora da Secretaria em inventar essa de que “70% dos homossexuais de SP já sofreram algum tipo de agressão”. Sopa no mel pra imprensa, assim, de graça.

Já abordamos aqui o fato de que o estado de São Paulo , líder nesse aspecto ao lado de outras metrópoles do país, naturalmente abriga mais gays, atraídos por uma vida de mais liberdade e anonimato. Ainda assim, recorremos a matéria de O Globo para botar os pingos nos ii.

(Já que estamos em clima de Olimpíada), o Brasil é simplesmente o campeão mundial em execuções de gays. Só no primeiro semestre do ano, já chega a 165 o número homossexuais assassinados no Brasil, índice 28% maior do que o do mesmo período do ano passado. Números:

Em valores absolutos, São Paulo tem a maior ocorrência de mortes (19) entre os estados onde elas são mais frequentes. Depois, seguem-se Paraíba (15), Bahia (14), Paraná e Piauí (dez casos cada um) e Rio de Janeiro (9). O GGB não obteve informações sobre Roraima e Acre.

Bem, não precisa ter uma mente brilhante pra concluir que São Paulo lidera em números absolutos porque é São Paulo. São fatores que se encavalam: a elevada densidade demográfica + a grande atração que a capital e demais grandes cidades do estado exercem sobre tais grupos + a eficiência policial em registrar crimes enquadrados na categoria homofobia.

Além disso, o que interessa são números relativos (execuções x população): a Paraíba seria o estado mais homofóbico do Brasil. Os números indicam que a Região Nordeste é considerada a mais perigosa para os homossexuais.

A pesquisa foi feita pelo Grupo Gay da Bahia, liderado pelo antropólogo – paulista – Luiz Mott, fundador do GGB e coordenador da pesquisa. Mott explicou que a entidade faz o levantamento dos crimes homofóbicos (dados e denúncias aqui) porque o governo, pra variar, não mexe a buzanfa para nada. (Estas últimas palavras são minhas, naturalmente, não de Mott.). Ainda segundo O Globo:

O advogado Dudu Michels, responsável pela manutenção do banco de dados do site, lembrou que o Planalto já foi ameaçado de ser denunciado à Comissão de Direitos Humanos da OEA por sua incapacidade de documentar tais crimes e pela ausência de políticas públicas eficientes para tirar o Brasil do primeiro lugar no ranking de assassinatos de homossexuais.

Portanto, alto lá com essas estatísticas paulistanoides. Um estado com 41 milhões de habitantes e apenas 19 gays mortos?

Para, né?

Anúncios

15 opiniões sobre “Tudo em São Paulo”

  1. Leticia, esse tipo de campanha de cerco e destruição, não passa disso, cansa, não é? Um absurdo fazer esse tipo de pesquisa e dar manchetes bestas e mentirosas. E ainda pesquisar “em 92 lugares previamente selecionados, incluindo casas noturnas, saunas, cinemas e na rua”. Caramba, como você bem disse, são locais onde a possibilidade de qualquer tipo de violência é muito maior. Será que a pesquisa chegou ao ponto de saber “agredido por quem”? Isso porque as agressões podem ter sido entre companheiros também. Ou será que pesquisaram de arrombamentos de casas a espancamentos no trabalho? Com certeza não. No caso, querem é provar a existência de homofobia em São Paulo, como a pior do Brasil. Como diria Macunaima…

  2. Ontem mesmo fui cortar o cabelo e me deparei com uma situação corriqueira. Uma moça conversando com um jovem no salão, dizendo-se indignada com a a Polícia Militar de SP. Ela ficou indignada em ter assistido na tv os policiais atirando em bandidos já dominados e algemados. Nem perdi meu tempo. O caso ter ocorrido no Rio é um mero detalhe.

  3. E o pessoal – que eu prezo muito – que vê o CQC pelo nariz e fica repetindo que o Bolsonaro é homofóbico .. Ai, ai, isso é tão cansativo … dá uma gastura …!! E, realmente, sabe-se QUEM agride os homossexuais? Se for outro homossexual, como fica?

  4. Dawran, não sei você, mas eu tenho hábito de usar Metrô e passar pela Paulista aos sábados e domingos cedinho, às vezes esperando alguém nas caracas. Dentro do Metrô é seguro, e tal, mas o povo vem embalado saindo da noite., muitas vezes “daquele jeito”. Eu prezo muito que o pessoal chegado à bagunça se mate entre si com caco de garrafa, e acho errado dividir esse tipo de sociedade entre gays e não gays. Um equívoco danado.

    Claudio, não adianta. Parte da população é distraída, e há grupos que, sabendo disso, tratam de fazer sua doutrina didaticamente. E, vamos combinar que é no cabeleireiro que encontramos a forma mais primitiva de vida. Se eu fosse contar o que já ouvi em salões…

    Maria Eddy, tenho amigos gays muito tranquilos. Não acho que ambiente de balada seja um gosto universal pra nenhum gênero. E, sim, a opção pela rua, pelo bas-fond, pressupõe uma linguagem de violência – bastam dois e o quadro está pronto. Como disse, até entre carmelitas descalças.

  5. Leticia, o Brasil, de uns anos para cá, virou uma confederação de categorias. E cada uma com sua rede de proteção. Por isso, certas questões sequer são mencionadas, porque podem ofender algum dos vários feudos por ai. Dividiram o País em tantas categorias que nem sabem mais que discurso pega e qual não pega. E para quem.
    Só pega se elegerem um foco para cercar e destruir. No caso, São Paulo. Tudo de ruim ocorre em São Paulo. O restante do País, nem dá para falar mais que seria uma Europa, mas dá para falar sim: seria uma Europa. Mas, vão perder.

  6. Não é só em sampa que tem esse alarmismo, não se engane. O Movimento Gay faz um foguetório com mortes de gays e tudo entra na conta da homofobia. Uma pesquisa rasa nos sites que registram as mortes e constatará que tem muitos casos sob investigação, crimes passionais (ciúmes de casais homossexuais). No mais, eram homossexuais que vivem num país com violência epidêmica, onde impera a impunidade legislativa, a política de segurança do governo é um fiasco e as fronteiras estão abertas as drogas, principal motivante da criminalidade.

    Mas, tem sim no Brasil aqueles psicopatas homofóbicos, assim como tem quem ateie fogo em mendigos e esses devem sentir o rigor da lei, no entanto sacumé no Brasil: réu primário e talz…

    As matérias que envolvem homossexuais são sensacionalistas. Há quem compre as matérias e há quem vende a idéia do Brasil Mais Homofóbico do Mundo.

  7. Exato, Henrique! Na verdade, o assassinato de homossexuais deve ter um leve componente específico, mas no fundo reproduz o way of life nativo, de resolver tudo na bala – com suas variações, sendo mais presente no Nordeste. Mas há o tal do sensacionalismo homofóbico, e com mais ênfase ainda em manchetes cretinas como as duas primeiras que apontei.

  8. henrique lima, logicamente, qualquer um sabe que o Brasil não é uma ilha e nem um País isolado do mundo. Somente um ideologização canhestra pode tentar fazer crer o que seria o melhor ou o pior para o País no mundo. Os cidadãos sabem que não é bem assim. O problema, repito, é que o homossexualismo, passou a ser mais um categoria e tudo o que se refira a homossexualismo, parece tentado à impunidade: todos são culpados, menos os homossexuais. Oras, isso é um evidente exagero. Ninguém pode ser destratado por ser uma pessoa e suas preferências, hábitos, bens e seja lá o que mais for. Muito menos agredido ou assassinado. Agora, qualquer coisa que se fala de homossexualismo e homofobia, ser apontado o dedo para algum lugar chamado São Paulo, vai uma grande diferença. Só as coisas ruins, frise-se. Cada um que curta o que bem entenda e arque com as consequências disso, em qualquer lugar. Seja numa Metrópole, seja num lugarejo no fim do mundo. Sem apontar o dedo para ninguém, a priori. E ai entram as categorias de homossexuais, negros, mulatos, brancos, loiros, cafuzos, mamelucos, índios, jovens, crianças, adolescente, idosos e anda os portdores se de alguma infeliz doença ou dificuldade fisica…O que há de estatutos por ai , não é moleza. Mas, para que estatutos se há a Constituição, Códigos Civil e Criminal e advogados, promotores e punição a violências de qualquer espécie, sendo o preconceito também crime? Por isso, podem até tentar, porém, perderão.

  9. O assassinato de dada pessoa, independente de sua categoria, é crime.
    O problema é que querem mostrar, de qualquer forma, ser São Paulo, o mais homofóbico, o que mais agride, o que mais mata. Ai, não dá. Perderão, pois, estão ideologizando.
    Ninguém tem tempo de ficar fuçando a vida alheia só para dar-lhe uns cascudos. Dar cascudos nos outros é crime, seja lá quem for o agredido. Se for uma criança que teve seu pirulito roubado por algum bocó, também cometeu algo a ser punido. E um homossexual der um cacete em alguém, também será crime. Ninguém está isento de ter a lei a seu favor ou contra seus desígnios. A lei não pode discriminar e ninguém pode alegar desconhecer a lei. Isso é lei.
    Assim, que parem de nos encher a paciência com esses preconceitos sobrepostos, divulgados em manchetes, no “Sol nas bancas de revista”…hehehehe…

  10. Só pra pontuar: E tudo isto em q pese q nosso país ainda não respeita os homossexuais como se deve, a discriminação contra eles continua acachapante. O exemplo deste casal de mulheres(Independente de onde tenha sido) já demonstra isso.

    Aqui mesmo, na Terra do Acarajé, já teve até caso de IRMÃOS GÊMEOS q foram CRUELMENTE agredidos por andarem abraçados na rua por um bando de covardes, q foram capazes de descerem de um ônibus APENAS pra agredir os dois. Resultado da “brincadeira”: Um deles ficou seriamente ferido e outro, infelizmente, não resistiu às agressões e morreu. Ao menos, os cretinos agressores foram presos, enquanto tentavam fugir em outro ônibus. Mas, até quando ficarão na cadeia?

    Independente de qualquer coisa, como em quase tudo neste país, o q falta é respeito.

  11. Só lembrando que num lugarejo do fim do mundo a vida é pesadíssima não só para gays como para qualquer pessoa que fuja do padrão local – padrão de gênero, padrão familiar, padrão religioso – já pensou um protestante histórico em Itapipoca do Norte? -, padrão de linguagem, padrão do que compra e até padrão de gargalhada. Portanto, venham todos pra São Paulo, mas, por favor, não ponham suas armas na mala, sim?

    Morena Flor, você sabe que ando de mãos dadas com minha mãe, mas com minha irmã, não? Faz séculos eu morava num prédio aqui ao lado, e a velhinha foi ao síndico dizer que eu “recebia homens” em casa, acredita?: 1) Meu irmão; 2) Meu namorado; 3) Um amigo que precisava imprimir orçamentos e n tinha grana pra comprar impressora, não ficava nem 10 minutos. Não é só na Terra do Acarajé, não…

  12. É Letícia, a maldade andou – e anda – torrando a mente das pessoas…

    Seja na Terra do Acarajé, na Terra da Garoa, na Terra do Chimarrão, na Terra do Frevo, enfim, no país inteiro.

  13. Sim, a vida é difícil para quaisquer pessoas q fujam do padrão, mas, convenhamos, existem pessoas contra as quais a discriminação é bem pior, se mexer com sexualidade então, é pior ainda – e nestes lugarejos então, a coisa pega.

    Nestes “lugarejos”, gays e outras pessoas q porventura vivam ou façam algo fora da “moral-e-bons-costumes” são bem mais execradas do q gordo, feio, pobre, etc, mais até do q político ladrão e corrupto. A discriminação social é tão ruim ou até mesmo pior do q certas dificuldades de vida.

    Sou contra a ideologização da homofobia, sou contra q crucifiquem São Paulo e qualquer outra metrópole por cunho político-eleitoreiro, etc… Mas o fato de existir esta manipulação toda contra São Paulo por não se dobrar ao PT não significa q a situação dos gays “não seja tão ruim assim”, na verdade, em muitos lugares e atitudes, a coisa ainda não andou e os gays continuam tendo de viver na clandestinidade, não podendo assumir sua identidade sexual, sob pena de sofrer sanções sociais – desde as mais “brandas”(como olhares tortos e ofensas) até as mais pesadas mesmo(agressões graves e mortes).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s