Estradas federais são tão legais!…

Pode achar que sou paranoica, mas dá licença! Duas gracinhas hoje na Folha:

Crescem 164% os casos de embriaguez em estradas de SP no feriado

Caem os acidentes e mortes em estradas federais de SP na Páscoa

Se você perceber, nessa segunda matéria, o subtítulo flozô referente às estradas federais, meio que comemorando apenas 2 mortes, há de imaginar que se refere ao Brasil inteiro – esse paraíso na terra, à exceção do paulista,  povo infeliz que afoga suas mágoas na manguaça.

Nada: as estatísticas federais referem-se apenas às estradas federais em SP.

Vamulá, comparando:

O número de motoristas flagrados dirigindo sob efeito de álcool nas estradas estaduais de São Paulo cresceu 164% no feriado prolongado de Páscoa, segundo dados da SSP (Secretaria de Segurança Pública). Ao todo, 320 pessoas foram reprovadas no teste do bafômetro entre quinta (5) e domingo (8). […]

[…] A fiscalização [federal] também aplicou o teste do bafômetro em 1.630 motoristas, o que levou a 31 autuações e dez prisões por dirigir embriagado.

Bem: 320 pessoas barradas no bafômetro nas estradas estaduais, contra 31 nas estradas federais em SP. Isso quer dizer que quem “privilegia” estradas federais bebe menos? Não.

A matéria da Folha menciona a fiscalização federal em 1.630 motoristas. Não diz quantos foram parados para averiguação pela polícia estadual, muito menos que o governo de São Paulo intensificou a fiscalização.

Mas eu digo: de quinta a domingo, 7.347 motoristas foram submetidos pela polícia do estado ao teste do bafômetro (incluindo a capital), contra as tais 1.630 fiscalizações federais.

Não vou aqui ficar fazendo comparativos de quilometragem x pontos de fiscalização. Sem contar as municipais, as estradas estaduais paulistas têm o dobro de quilometragem das federais no estado, o que já derrubaria qq. comparação pró-federal. Sem contar o fato de que, em SP, qualquer ser humano provido de neurônios prefere andar numa estrada estadual. Só anda em trechos federais quando não tem outra saída. Prosseguindo:

A operação da Polícia Rodoviária Estadual para o feriado prolongado de Páscoa teve um dia a menos neste ano, segundo a SSP. Isso porque em 2011 ele incluiu o dia de Tiradentes. Mesmo assim, o número de motoristas embriagados flagrados neste ano foi bem superior ao 121 registrados no ano passado.

Comemoração sambarilove: “apesar de ter tido menos um dia de feriado”, os bebuns aumentaram nas estradas paulistas, e o número de mortes caiu drasticamente nas estradas federais, tendeu?.

Acredito não ser difícil de entender que + fiscalização = + autuações. E também não creio ser tão complicado imaginar que motoristas propensos a se estabacar por excesso de velocidade prefiram fazê-lo em estradas mais dadas a tanto, o que não é o caso das federais, com sua manutenção ruim e suas eternas duas faixas.

Além disso, mulher, tem outras coisas: a quantidade de gente no estado de São Paulo; dentro disso, a quantidade de gente que tem o hábito de viajar; dentro disso, a quantidade de gente que viaja de carro; dentro disso, as que preferem…

No fim, outra materinha da Folha que também ajuda a explicar as duas mortes nas picadas federais:

Os 1.067 km de rodovias federais que cortam São Paulo apresentaram elevado volume de tráfego durante o feriado. Segundo a Polícia Rodoviária Federal, a Dutra, a Régis Bittencourt e a Fernão Dias, em alguns momentos, chegaram a formar filas de até 30 kms [sic] de congestionamento. (íntegra)

Nessas, eu fico mesmo com a informação já linkada da SSP, que a Folha, curiosamente, escamoteou de suas materinhas feijão-com-arroz:

O número de acidentes caiu 32,88% em relação ao feriado do ano passado. Foram 1.035 acidentes, 507 a menos. Também houve menos feridos – de 815 em 2011 para 611 este ano, uma redução de 25%. Quarenta e duas pessoas morreram nas estradas nesta Semana Santa.

Na esfera criminal, 58 pessoas foram presas em flagrante, sete foragidos da Justiça foram recapturados, oito armas de fogo foram apreendidas e 15 veículos roubados foram recuperados.

Anúncios

28 opiniões sobre “Estradas federais são tão legais!…”

  1. E aquele imbecil na matéria de capa da revista da Folha. Gaúcho, de PA, estaria “reclamando” do preço dos aluguéis em SP. Como se tivessem obrigado o carinha a vir pra cá. Aliás, a leva de portoalegrenses que alegremente vem morar em samps ajuda a elevar o custo das locações, certo ou não? É dose esses caras, essa abordagem, abs….

  2. O trecho paulista da Fernão Dias tem pouco menos de 100 km.

    Situação em 1991:

    Duplicação em andamento do trecho da Rodovia Fernão Dias entre a Via Dutra e a Rodovia D. Pedro I; a licitação já feita para o trecho seguinte, até a divisa de Minas Gerais.

    Situação em 1997:

    O governador de São Paulo, Mário Covas, autorizou nesta sexta a assinatura dos contratos de duplicação do último trecho da Rodovia Fernão Dias que liga São Paulo a Belo Horizonte.

    Com previsão de gastos de R$ 60,4 milhões, os 36,3 km entre Atibaia e a divisa com Minas, terão as obras iniciadas ainda na primeira quinzena deste mês, com término previsto para outubro de 98.

    No último trecho de duplicação serão construídos 20 viadutos, cinco pontes, três passarelas, além da recuperação da pista atual e sinalizações. A duplicação do primeiro trecho de 54 km da rodovia, entre São paulo e Atibaia, deverá estar pronta no primeiro semestre de 98.

    Ou seja, eu experimentei de sobra o horror que era, não só transpor a serra da Cantareira, mas chegar em BH via Fernão Dias antes da duplicação.

    Toda duplicação dessa rodovia federal no trecho paulista foi executada com recursos do Tesouro de SP e/ou financiamentos do BID [acho] que foram pagos por SP.

  3. É a Folha fazendo o dever de casa. São matérias de quem, ou não sabe o que escreve, ou sabe exatamente bem o que escreve. Eu mesmo fiz uma pesquisa e descobri que, neste ano, ninguém foi pego no bafômetro na rua da minha casa. Resultado igual ao do ano passado. Só que um motoqueiro derrapou e caiu bem na esquina. Só levou uns arranhões, mas isso dobrou o número de acidentes com feridos em relação ao ano passado. A rua que moro se tornou mais insegura. Será que haverá alguma desvalorização imobiliária?

  4. Pois é.
    São Paulo é um lugar horripilante mesmo, não?
    Estava até quase sugerindo que todos deste Estado pedissem asilo ao Mali, onde parece, houve um furdunço recente. E as estradas no Mali, devem ser melhores que as de São Paulo, certo? Inclusive em feriadões.
    E olha que apontam o referido jornal como favorável a São Paulo e determinado partido político que governa o Estado.
    Já dá para pensar se fosse contra São Paulo e determinado político político que governa o Estado.

  5. Mdv, o gauchismo é fenômeno peculiar de migrar chegando.

    Já presenciei tantos momentos memoráveis de deslumbre disfarçadinho com as coisicas da metrópole…, mas o mais divertido é o momento em que a rudeza aflora em todo o seu esplendor. E esse dia sempre chega. Às vezes é na mesma noite.

    E, yesss: vêm arfando rumo ao que consideram primeiro mundo, mas querem preços de Viamão. Sinal que o empregão que descolaram (sempre juram terem sido convidados) não é tãããão bacana assim.

    Paulo, quer o exemplo do meu roteiro da vida toda? A Dutra: sei lá quantas pistas com não sei quantas faixas e trocentos acessos na boca de SP, sem contar a Ayrton Senna e a Carvalho Pinto, tudo construído pelo estado. No Rio…

    Né, Dawran? Sempre olho os comentários do jornal. Numa dessas notas, apenas uma alma notou que o motivo foi o incremento na fiscalização. O resto fica reclamando de multa e do absurdo do motorista bêbado. O entendimento do que leem é tão primário que não dá nem pro começo.

  6. Hehe, na mosca!: na tal matéria de ontem na revista da Folha, o sujeito de PA disse que foi “convidado”, juro, tenta dar uma lida!, abs risonhos

  7. Letícia, olha isso, é hilário, a matéria começa exatamente assim, copiei pra vc:

    O designer de moda Felipe Maduell, 28, mudou-se para São Paulo seduzido por uma proposta de trabalho. Ganharia em uma rede de lojas de roupa mais que o dobro do que tirava em Porto Alegre. “Mas não contava com um aluguel tão caro”, diz o gaúcho, morador há dez meses de uma quitinete na região central. “Pelo mesmo preço daria para alugar um apartamento de um ou dois quartos no Sul.”

    Ps meu: se ele não contava, é porque não merece o empreguinho, hehe!

  8. By the way, o cara devia tirar uns 850 mangos como “consultor de moda” nos pampas. E veio pra cá pra ganhar o dobro e se sentiu… É mais pra engraçado ou patético? Vc decide, haha

  9. mdv,

    Paulistanos de classe média e alta resolveram migrar para a “bonitinha” Curitiba e o preço dos imóveis subiu mais de 200% em 4 anos com aluguéis disparando.

    Migrar não é exclusividade de gaúcho, nem de nordestino…

  10. Mdv, minha melhor amiga é gaúcha, e é a primeira a elencar as características desse módser. Segundo ela, a criatura teve alguma proeminência no lugar de origem e vem achando que é isso mesmo, e acha RUIM quando se flagra aos milhares aqui. Claro que tem gente superbacana, mas há uns exemplares… E não é só gaúcho não, mas estamos debulhando o case por ser muito característico.

    Fábio, rico não migra. Rico compra casa em outro lugar. Quem migra é pobre. Agora, essa de que inflação imobiliária em lugares fofinhos do país é culpa de rico paulista, essa pra mim é nova. Até porque todos têm direito a enriquecer e especular com o crédito de são Lula.

  11. Pior não é a presença do gaúcho. Pior é aguentar a tentativa de imposição de seus costumes. Tomar “chá-de-mato” e falar arrastado na 2ª pessoa é shoda!
    Pregam o separatismo – quando afirmam que “o Sul é o meu país”-, mas são os que mais migram. Se está bom em seus pagos, por que saem?
    Aqui em Curitiba também temos que aturar essas “pragas”! Hehehehe!

  12. Bem, Schu, particularmente acho um tanto inadequado levar kit de erva até em audiência com o Papa. Orgulho nativo é uma coisa, falta de noção é outra.

    Bem, nem todos pregam o separatismo… E não tenho nada contra o RS tb., mas tem muito migrante que precisa de psicanálise pra se decidir na vida.

  13. Os paulistanos detonam Curitiba tanto quanto qualquer pessoa que vai para aí detona SP. Não pensem que eles vem para cá e elogiam, só vem porque alguém diz que tem mais “qualidade de vida”, daí, reclamam porque isso não é verdade…

  14. Ademais, desmitifiquemos isso.

    A migração do paulista/paulistano em pouco difere da migração dos demais. Ele também sai de SP por melhores condições de vida, embora de regra em um patamar mais alto.

    Porque o indivíduo rala duas décadas numa multinacional daí e um dia o chefe dele diz: – preciso que chefie filial em Curitiba, ganha aumento. Se ele disser não, então desculpa-se e perde o emprego. Logo, tem muito paulistano vindo para Curitiba, indo para Belém do Pará, Fortaleza, Recife, Florianopolis não porque acha SP um porre ou porque quer mudar de ares, vai por necessidade mesmo, porque mesmo quem ganha bem precisa manter essa fonte de renda e as vezes buscar horizontes mais abertos.

    Sem contar aquelas pessoas que querem ganhar mais, como esse porto-alegrense do post. Se a empresa oferece posição, vão, e muitas vezes sem medir para onde vão.

    Daí chegam em Curitiba, Fortaleza, Recife, Florianópolis e detonam a cidade tal qual as pessoas que vão para SP.

    Tenho um amigo que saiu de Curitiba e foi para SP. Odiava SP, não porque a cidade é ruim, mas porque tinha um estilo de vida diferente, mas acabou lotado em Lima-Peru e deu GRAÇAS a DEUS quando teve que voltar para SP, não porque Lima seja uma cidade ruim, mas por um estilo de vida diferente.

    Migrar não é exclusividade de pobre no mundo globalizado. E reclamar não é exclusividade de não-paulistano…

  15. Claro que não. Vai-se e vem para tudo quanto é canto, em maior ou menor grau, e as pessoas têm mais ou menos o mesmo nível de bairrismo.

    Mas este blog… né? Aqui, humildemente, procuro defender minha cidade, que todo mundo chupa, chupa e trata mal assim, de graça, mais por complexo do que por comparação.

    Tenho um amigo que foi trabalhar em Curitiba. Ficou lá uns meses, era temporário mesmo, a serviço da firrrma. Povo não convidava ele nem pra almoçar, e ele me contou isso rindo. Mas não fica falando por aí.

    Eu mesma andei frilando pra uma editora aí (muito dinheiro, pouco trato). Fizeram algo de que não gostei, achei graça, cortei na hora, e não fiquei falando por aí.

    Este post casualmente descambou para o assunto. Não é sobre gaúchos, é sobre gauchismo. É diferente. A maioria dos gaúchos riem disso. Não sei por que você se mordeu.

  16. Se o gaúcho é motivo de piada e riso, com toda a certeza fazem por merecer. Os caras andam fantasiados no dia-a-dia com aquelas bombachas ridículas e, se não bastasse, passam o tempo todo com cuia e garrafa térmica ao alcance das mãos! São folclóricos. Risível.

    Agora, no que diz respeito ao curitibano, essa aparente má-educação e frieza deve-se à enraizada cultura européia. Depois que o gelo inicial é quebrado, a cordialidade e o bom-humor vem à tona.
    Em tempo: não sou bairrista! Hehehehehehehehehehehe!!!!!

  17. Bem, mantenho a minha intenção de asilar-me no Mali, capital Bamako. Norte, desértico.
    As estradas federais de lá, cortando o deserto do Saara, no norte, devem ser uma beleza só.

  18. Porque toda cidade tem defeitos e vai receber reclamações de gente que à ela venha de fora, isso não é paulistano, nem paranaense, nem gaúcho, é humano…

  19. Pra quê tão longe! O Rio é logo ali…Sereias nas rochas penteiam os cabelos…Araras azuis cantam e dançam empoleiradas em choupanas paradisíacas…Morenas do balacobaco e do ziriguidum oferecem seus préstimos amorosos a quem lhes endereçar um sorriso…Bondinhos multicoloridos passam e jogam essências de folhas de Coca sobre as cabeças dos moradores felizes…AR15 foram substituídas por flechas de Cupido…
    Uma maravilha! E tudo isso está a módicos 400 kms!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s